11 de fevereiro – Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência

Em 2015, a Assembleia Geral das Nações Unidas declarou o Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência com o intuito de fortalecer o compromisso global com a igualdade de direitos entre homens e mulheres, sobretudo, do ponto de vista da educação. A Organização das Nações Unidas (ONU) sempre ressalta a questão de gênero e, inclusive, uma das metas da Agenda 2030 é a redução das desigualdades de gênero como forma de melhorar o desenvolvimento sustentável.

Segundo levantamento do Instituto de Estatística da Unesco (Unesco Institute for Statistics – UIS), apenas 30% dos cientistas no mundo são mulheres. No Brasil, as mulheres ocupam apenas 14% das posições na Academia Brasileira de Ciências. Desde 1901, quando o Prêmio Nobel foi criado, os prêmios das áreas de ciência (Fisiologia ou Medicina, Física e Química) foram concedidos a mais de 622 pessoas. Mas, apenas 22 dos vencedores eram mulheres (Marie Curie foi premiada duas vezes, com Física e Química). Elas representam somente 3,53% dos laureados em ciência.

O relatório da Elsevier de 2020, chamado A jornada do pesquisador através de lentes de gênero abordou a participação em pesquisas, progressão na carreira em percepções em 26 áreas temáticas da União Europeia e mais 15 países, incluindo o Brasil. A pesquisa mostrou que, apesar da participação das mulheres na pesquisa estar aumentando, a desigualdade permanece quando falamos em resultados de publicações, citações, bolsas concedidas e colaborações. Em todos os países analisados, a porcentagem de mulheres que publicam internacionalmente é menor do que a de homens.

Muitas mulheres demonstram interesse pela área da ciência e estão começando a ocupar esses espaços, mesmo com a falta de reconhecimento pela sociedade e com muitas dificuldades. As áreas em que a maioria das mulheres têm feito parte de pesquisas são: Ciências Biomédicas e da Saúde; Ciências da Vida e da Terra; Ciências Físicas e Engenharia, de acordo com o CWTS Leiden Ranking 2019. 

Érika Freitas – Gerente executiva da Mendelics e meuDNA

Um exemplo de inspiração é a Érika Freitas, formada em Ciências Biológicas com ênfase em Genética Molecular, Doutora e Ph.D em Ciências Médicas com ênfase em Genética Humana e Molecular. Atualmente, ela atua como gerente executiva de dois laboratórios, Mendelics e meuDNA, em que a maior parte da equipe é formada por mulheres. Ela lembra que “diferente de outras áreas de pesquisas/ciências, nas biológicas temos a presença de muitas mulheres, mas elas acabam não ocupando posições de liderança. Eu, como mulher e líder, tento incentivar e inspirar que outras mulheres também busquem essas aspirações”.

Valorizar as mulheres desse campo é incentivar meninas a se interessarem mais e a seguirem carreiras na ciência, derrubando barreiras, como estereótipos e falta de acesso, que acabam impedindo-as de se verem como cientistas.


Fotos: Assessoria de Comunicação do meuDNA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.