Expediente #2 – Principais formações em Educação Corporativa durante e pós pandemia

O segundo Expediente foi ao ar no dia 28 de maio, às 19h e trouxe um tema sugerido por Filipe Chiabai, líder de uma equipe de Educação Corporativa em uma grande empresa do Espírito Santo. Ele começou o programa explicando o por quê do tema, que ainda é relativamente novo no Estado.

“Minha equipe dá apoio ao desenvolvimento de todos os colaboradores da organização, utilizando várias metodologias e abordagens educacionais. Mas, quando penso na qualificação desse time, o que pode vir a agregar na formação de cada um, de maneira que consiga retirar o melhor deles?”

Para Soani Vargas, designer instrucional e criadora do LearnSpace, todo profissional da área de Treinamento e Desenvolvimento (T&D) deve ter consciência e humildade em reconhecer que também precisa buscar conhecimento e aprendizado continuamente, da mesma forma que se propõe a fazer pelo outro. A partir disso, é importante, na medida do possível, que a equipe de T&D esteja presente nas reuniões estratégicas da organização.

Envolvê-los nessas reuniões ajuda a ver com clareza quais competências precisa desenvolver e quais cursos ou formações são mais assertivas para cada um deles.

Enilton Rocha, gerente de projetos na WR3 Consultoria e do hub de Mestrado e Doutorado EaD, comentou sobre a importância de se considerar as tecnologias exponenciais no atual contexto: “Se queremos qualificar nosso time, é preciso que tanto as metodologias, quanto os ambientes estejam atentos à movimentação tecnológica”. Alinhado com o discurso dos colegas, o coordenador do polo da Unicesumar, em Cariacica (ES), Eraldo Mollulo destacou que os comportamentos de todos os envolvidos no negócio da organização são afetados por essa movimentação tecnológica e isso só ressalta a importância de o time de T&D estar conectado com a alta gestão, para que as propostas de desenvolvimento de todos os colaboradores aconteçam de forma estratégica, trazendo resultados efetivos.

Para quem está começando na área de Educação Corporativa, Soani sugeriu que o profissional busque, primeiro, um curso livre, de curta duração, mas com foco naquilo que vem buscando. De acordo com ela, isso ajuda, inclusive, a identificar onde deseja atuar: na gestão do projeto ou na operacionalização de algum processo. Após ampliar o conhecimento sobre aquela área, buscar uma pós-graduação. “Assim, será possível aprofundar em discussões, teorias e conhecimentos que não conseguia antes, além de aproveitar muito mais toda a riqueza que o acadêmico traz para a formação profissional”, destacou.

A discussão rendeu muitos pontos de reflexão e orientações valiosíssimas para quem deseja se destacar enquanto profissional de Educação Corporativa. Vale a pena conferir na íntegra:


E conversa ainda rendeu uma parceria do blog EaD em Pauta com a Unicesumar Cariacica: vamos sortear uma bolsa de estudos de 60% para fazer um curso da sua escolha, dentre as opções sugeridas no portfólio da instituição.
Confira as regras e participe!


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.