Economia da oralidade

Durante o Congresso Internacional ABED de Educação a Distância (CIAED), este ano, conheci Jorge Cury, economista precursor do conceito de Economia da Oralidade. O termo chamou minha atenção e tive a oportunidade de conhecer melhor o assunto “direto na fonte”.

De acordo com Cury, a Economia da Oralidade é uma área do conhecimento dedicada ao estudo transdisciplinar aplicado ao uso econômico da oralidade e suas implicações sociais, políticas, culturais e tecnológicas. Seu propósito é promover mudança no comportamento dos indivíduos, por meio do aprimoramento da linguística e esse comportamento vai se refletir nas relações em geral, especialmente no processo produtivo. Cury explica o por quê: “a oralidade é a manifestação do pensamento projetado na forma de voz. Por meio dela somos identificados e nos identificamos com o mundo, disponibilizando ao mercado nossos atributos pessoais e as nossas competências profissionais. A oralidade é, portanto, nosso principal ativo econômico”. 

A proposta da Economia da Oralidade é oferecer conhecimento consistente sobre a importância da oralidade como insumo produtivo e seu impacto nas atividades econômicas, capacitando e instrumentalizando as pessoas para seu uso pleno. Para isso, desdobra-se em outros segmentos, dentre os quais destacam-se o organizacional (aplicação da Economia da Oralidade no âmbito interno e externo para a formação da cultura oral das organizações); o educacional (para Cury, a Economia da Oralidade é uma revolução na Educação a Distância); audiovisual; a interface de voz (aplicada à inteligência artificial e humanização de robôs) e até mesmo o design, também denominada de Voice Design, que é o desenho da voz pra fins comunicativos: entonação, ritmo, velocidade, volume, frequência, tom grave ou agudo, e outros recursos fonéticos. O objetivo do Voice Design é viabilizar a criação da marca vocal para fins profissionais, como fator de influência e de decisão, transmitindo significado e criando conexão com seus públicos.

“A voz é a função do corpo que mais se expõe e a que mais nos expõe, por isso é importante saber utilizá-la com excelência. Isso é uma habilidade importante nos dias de hoje”, defende Cury.


Para saber mais sobre o assunto:


Por: Sandra Medeiros
Crédito da foto: http://voicedesign.com.br/

 

Palavras-chave:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.